Google+ Badge

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Palavras de sangue




O que ficou dentro quer sair na escrita vermelha
Quer abandonar o corpo seguir...
Já não alimenta órgãos vitais,
Zumbi insuportavelmente silfídeo.
As palavras quase nada transmitem 
Se não estiverem banhadas em sangue.
Descasco as feridas, pouco importa se vão doer
Deixá-la quieta é fingir que tudo tende a passar
Mas sei que não passar...
Arranho a garganta no grito
É inútil...
Insuportáveis músculos sustentando uma vida que passou.
A vida inabitável...
Insana poesia escrita a sangue, coagulando em círculos
Esféricas blasfêmias da carne apodrecida.
Abrem-se os caminhos do desequilíbrio libidinoso
Mas estou muito cansada...
Os sonhos são inférteis
O coração está vazio
O sangue fluindo da pele, como um rio que vai embora, pra onde, eu não sei...

Janaina Cruz

16 comentários:

  1. Amiga Janaína, passando por aqui para apreciar tua poética e para deixar o meu abraço.

    ResponderExcluir
  2. Minha querida

    Por vezes há muros que nos cortam os passos...caminhos que nos ferem os pés...como sempre adoro ler-te.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  3. Adorei teu poema.
    Gostaria de ter tido escrito,rsrsrs
    Bom que você escreveu.
    Palmas, muitas palmas!!!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. E como palavras tem forças...

    Vc sempre encantando!!
    beijo grande!

    ResponderExcluir
  5. Gostava de ser eu a escrever esse poema:)!
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do teu canto, onde a poesia é rainha!Vou voltar para lhe prestar vassalagem, por ela eu curvo-me, por ela eu me deixo conduzir...

    beijo
    (obrigada pela tua visita no meu blog e pelo comentário)

    Ártemis

    ResponderExcluir
  7. Oi amiga, belo poema... forte!
    Bjinhos e um ótimo fim de semana pra vc também!!! XD

    ResponderExcluir
  8. A cor rubra do grito preso na garganta.

    Lídia

    ResponderExcluir
  9. O poema do teu desencanto?
    Mas as tuas palavras, sejam de sangue ou não, sempre me encantam.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderExcluir
  10. Meu amor é questão de tempo, apesar que nesse Pais as artes só tem saída no aeroporto internacional, ainda confio que o seu livro terá uma boa repercussão. Do jeito que tu escrevi as suas palavras sangram mais da sua alma, do que o teu próprio sangue, poderia sangrar do teu corpo. eu te amo muitooo!!!

    ResponderExcluir
  11. Intenso, belo. De muita personalidade. Obrigada Janaina pela visita e comentário deixado em meu blog. Tb adorei tudo por aqui. Te sigo. Bjssss

    ResponderExcluir
  12. Não sei se certamente, ou quão frequentemente, mas sei para onde flui;

    vai com gosto de mel
    flui com jeito de céu
    com destino ao papel.

    ResponderExcluir
  13. Olá.

    Nossa... que texto, heim?
    Um texto forte... enigmático... gostei!!!
    Meus parabéns e uma boa tarde.

    ;D

    ResponderExcluir
  14. passando para desejar um óptimo fim de semana!
    Bjo

    ResponderExcluir
  15. Esse sangue vai formar um mar vermelho, poetisa. É lá onde tem peixes vermelhos e um coral coralino. Do Rio Vermelho. Tem um píer onde an(cora) a tristeza que não será bem recebida pela alegria que flui desse teu versejar. Ficou lindoooooo. LEANDRODERECIFE.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...